Awesome Everywhere!

United Arab Emirates

Dubai

United States

Alaska

Ann Arbor, MI

Asheville, NC

Atlanta, GA

Austin, TX

Baltimore, MD

Birmingham, AL

Boone County, IN

Boston, MA

Buffalo, NY

Cass Clay

Chicago, IL

Denver, CO

Detroit, MI

Gainesville, FL

Gloucester, MA

Los Angeles, CA

Louisville, KY

Miami, FL

New York City, NY

Newburgh, NY

North Minneapolis, MN

Northern Virginia (NOVA)

Oahu, HI

Oakland, CA

Oklahoma City, OK

Orlando, FL

Philadelphia, PA

Piqua, OH

Pittsburgh, PA

Plano, TX

Port Washington, NY

Portland, OR

Poughkeepsie, NY

Raleigh-Durham, NC

Rochester, NY

Rockport, MA

San Antonio, TX

San Francisco, CA

San Jose, CA

Santa Cruz, CA

Santa Fe, NM

Seattle, WA

South Bend, IN

State College, PA

Tallahassee, FL

Washington, DC

Youngstown, OH

Crônicas pró-fessôra!

O contexto escolar da rede pública poderia ser um lugar “mega manêro” para o adolescente ou o jovem estudante. Mas, na trajetória educacional, existem caminhos e descaminhos! Vou lhe contar uma história!
O Brasil possui 54% da população que se declara negra (Censo 2014). Em sua grande maioria, os alunos de escola pública são negros. Porém, a grande maioria dos estudos e metodologias que são evocados em sala de aula, possui uma vertente eurocêntrica. Como se reconhecer num contexto escolar que não valoriza sua bagagem cultural ? Como trabalhar mudanças de realidade, sem o protagonismo de adolescentes e jovens a partir do pertencimento de suas histórias? Assim começa uma avalanche de desencontros que desemboca no analfabetismo, abandono escolar, baixas notas, etc! Ao longo dos anos, o movimento negro reivindicou políticas públicas educacionais que, implantasse a história e culturas afro-brasileiras e africanas nas escolas. Viva! A Lei 10.639 foi promulgada no ano de 1996! Agora sim, este aluno poderia se reconhecer no contexto escolar e nas práticas educativas, aprendendo com diversão e autoestima! Tudo certo? Nããããão! Infelizmente, esta lei não é fiscalizada e, a grande maioria dos professores não aplica essa filosofia educacional. Maaaaas, sempre há uma luz no fim do túnel! Certa vez, uma professora me contou que tinha vontade de aplicar a lei 10.639, mas, pelo fato de não ser negra, tinha receio de fazer alguma ação equivocada. A partir dessa conversa, penso que é legal dar aquela “mãozinha” ao professor(a) e instiga-los à práticas escolares dentro da filosofia afro-brasileira. A partir dessa ideia, penso em construir um canal de youtube trazendo aulas práticas para que estes professores possam ver o quão fácil e divertido podem ser as práticas escolares baseadas na lei 10.639. Creio que, com esse leque de formações, posso contribuir criando um canal criativo e educativo, trazendo muitas aulas práticas para a rede educacional atendendo ao território nacional.

Funded by Minas Gerais (March 2018)